Subscreve a Newsletter Semanal

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Desafio de Cinema (13/52) - Filme Mudo



Já aqui passaram doze filmes por este Desafio de Cinema e vamos dar as boas-vindas ao décimo terceiro filme. Escolher filmes com base nos temas propostos não tem sido sempre fácil e óbvio, como imaginei. No entanto, tem sido sempre uma busca agradável e que me tem motivado a ver mais e melhores filmes.

O tema desta semana está ligado a filmes mudos, ou seja, filmes bem antigos e que a maioria desconhece. Eu própria, que adoro cinema e sou uma grande fã dos clássicos do cinema, confesso que não conheço muitos filmes dessa época. 

No entanto, todos conhecemos uma personagem que marcou o cinema para sempre. Falo de Charlie Chaplin e dos filmes incontornáveis em que participou. E como não podia deixar de ser, será um desses filmes que aqui te trago hoje. 

O filme desta semana que quero que fiques a conhecer comigo é o "Tempos Modernos". Um filme de 1936, que não poderia ser mais actual. Fala do mercado de trabalho, das condições de trabalho e do desemprego de uma forma caricatural, mas que bem poderia ter sido realizado hoje que não fugiria muito do que ali vemos. 

Já conhecias este filme? Ou preferes outro filme mudo?


Sinopse
Na época da Revolução Industrial, Chaplin trabalha na linha de montagem de uma fábrica com a função repetitiva de apertar parafusos. Isso provoca-lhe uma crise nervosa e é despedido. Após um longo período num sanatório, sai para a rua em busca de trabalho e no meio de uma crise generalizada é preso por ser confundido com um agitador comunista.

Devido à falta de emprego, tudo faz para permanecer na prisão. Até que conhece uma jovem órfã que rouba comida para alimentar as irmãs. As irmãs são levadas pela Segurança Social, mas ela consegue escapar vivendo de expedientes. Juntamente com Charlot, vão sobreviver e encontrar emprego em tempos muito conturbados. 


Podes acompanhar o Desafio de Cinema - 52 Filmes em 52 Semanas e ver os próximos temas.

sábado, 25 de fevereiro de 2017

O melhor pai do mundo faz anos!



Um ano se passou desde que aqui te dei os parabéns pelos 66 anos de vida. Apesar de continuarmos distantes fisicamente, estás sempre presente na minha vida e no meu coração. Por isso, hoje que comemoras os teus 67 anos, não poderia deixar de registar as minhas felicitações e os meus desejos para ti neste dia tão especial. 

Continua a ser hoje, como desde que tenho memória, um orgulho ser a tua única filha. Tens tido uma vida cheia, repleta e intensa. Seguiste sempre o teu coração e ensinaste-me, com o teu exemplo, alguns dos princípios pelos quais rejo a minha vida.

O melhor pai do mundo, o meu, faz anos e só lhe posso desejar muitos mais anos de vida para que possa continuar a inspirar-me e guiar-me e a realizar todos os sonhos que ainda lhe faltam concretizar. Feliz aniversário, paizão do meu coração! 

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Eu fui aos Saldos - Últimos Dias



Fevereiro está a acabar e com ele acaba também a época de saldos que todos tanto gostamos. Na verdade, em muitas lojas até já terminaram e as novas colecções estão em força. Quanto a mim, só me consigo debruçar com a atenção devida nas novidades, quando já não encontro nada em saldos. 

Eu sei que já vos contei das minhas idas à Primark e à Stradivarius e C&A, mas as minhas compras nos saldos de Inverno não se ficaram por aí. Agora que trabalho num shopping, as tentações são muitas e surgem por todo o lado. Portanto, hoje venho mostrar os achados que fiz nestes últimos dias, que muitos dizes serem os melhores para encontrar as maiores pechinchas. 

Pela parte que me toca, não desminto e tenho de concordar que, ainda que com peças muito escolhidas e algumas que nem dadas eu queria, foi possível encontrar coisas que valem bem o esforço e paciência de dedicar algum tempo às zonas de saldos que ainda existem nas lojas, zonas essas que parecem ter sido vítimas de verdadeiros atentados terroristas, tamanha é a confusão.

Passando ao que interessa, queres ver o que comprei? Venham de lá essas fotos! 

Já andava a namorar estas botas na C&A desde a minha primeira visita e acabei por não lhes resistir quando as vi por uns meros 9.99€. Não tem como, não achas?

Depois, na minha hora de jantar, acabei por visitar a Pull&Bear e fiquei apaixonada por estes brincos, tão versáteis e que são a minha cara. O preço? Apenas 2,99€.

Aqui, duas peças que compõem qualquer armário. As calças da Pull por 5,99€ e a camisola, linda de morrer, da C&A também por 5,99€ apenas. 

Que tal? Achas que fiz boas compras nestes últimos dias de saldos? Agora, resta saber se estas serão mesmo as últimas compras desta época. Para ser sincera, acredito que serão. Mas não prometo nada para não ficar mal, ok? 

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

As melhores músicas sobre Lisboa



Passei demasiado tempo sem trazer música para o blog. Para me redimir dessa terrível falha, nos últimos tempos espero ter compensado, com as melhores músicas de Natal e as melhores músicas para namorar

Sei que tenho prometida uma playlist para corações partidos, que conto partilhar contigo muito em breve. No entanto, neste exacto momento, apetece-me relembrar a minha doce Lisboa, que por diversas vezes recordo com saudade

Como orgulhosa filha de senhor meu pai, aprendi desde cedo que uma das melhores formas de combater as saudades é através da música. Com ela viajamos e voltamos, muitas vezes, para onde já fomos felizes. E eu, minha gente, já fui muito feliz em Lisboa. 

Acredito que conheças a maioria das músicas que aqui vou partilhar, mas boas músicas são intemporais, tal como a minha Lisboa, e merecem ser ouvidas com alguma frequência. Passemos às músicas, então. 

"Lisboa menina e moça", por Carlos do Carmo

"Lisboa que amanhece", por Sérgio Godinho e Caetano Veloso

"Lisboa", por Tara Perdida com Tim e Rui Almeida

"Lisboa", por Pólo Norte

"Lisboa Antiga", por Amália Rodrigues

"Lisboa não sejas francesa", por Mariza

"Cheira a Lisboa", por Amália Rodrigues

Espero não me ter esquecido de nenhuma música que mereça estar neste pódio das melhores músicas sobre Lisboa. Mas se achas que me esqueci da tua música, é só comentar aqui em baixo que terei todo o gosto em corrigir o meu lapso. 

E quanto às minhas músicas, gostaste? Qual a tua favorita de todas?

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

#TAG - 50 perguntas sobre Harry Potter



Com tantos lançamentos relacionados com o universo Harry Potter nos últimos tempos, tem sido com uma alegria imensa que vejo este tema de volta às luzes da ribalta. Na verdade, para os fãs de coração nunca deixou de estar presente. 

Apesar de todas as críticas e de todos os pormenores menos bem conseguidos, senti uma genuína felicidade por voltar a ter nas mãos um livro novo sobre Harry Potter. Como nos velhos tempos, corri a comprar a versão original para não sofrer mais à espera da tradução para português. Enfim, senti-me com 14 anos outra vez e foi tão bom. 

A minha paixão por todo este universo mágico já me acompanha desde a adolescência e até nos saldos a encontro e não lhe consigo resistir. Sempre que vejo o nome Harry Potter, seja onde for, a minha atenção foge e corro para ver melhor do que se trata. 

E foi assim que me deparei com esta TAG com 50 perguntas sobre Harry Potter. O Youtube é uma ferramenta fantástica para encontrar tudo e mais um par de botas sobre todo e qualquer assunto que se possa imaginar. E Harry Potter não poderia ser excepção, não é? 

Neste aspecto, tenho de admitir, os brasileiros dão 10 a 0 aos portugueses. Os melhores canais sobre Harry Potter são os brasileiros e eles levam aquilo muito a sério. São capazes de trazer sempre temas novos sobre este universo inesquecível, o que só prova algo que tenho defendido nos últimos anos: que seria capaz de falar sobre Harry Potter dias a fio sem me cansar e sem repetir temas. 

Primeiro, encontrei o vídeo no Observatório Potter, depois segui para o d'O Expresso de Hogwarts e, no final, fiquei cheia de vontade de responder aqui às 50 perguntas sobre Harry Potter. Vamos a elas?

1. O melhor livro
Como escolher um livro entre sete? Sete que, no fundo, são apenas um pois tudo está relacionado desde o longínquo Harry Potter e a Pedra Filosofal. Se me obrigarem mesmo a escolher um, e recordo que o estou a fazer sob ameaça, teria de escolher a Ordem de Fénix. Não por ser melhor do que os outros, mas porque me recordo da longa jornada que foi esperar pelo seu lançamento desde o Cálice de Fogo. Foi uma época de muita divagação, muitas teorias lidas na Internet e muita imaginação na tentativa de adivinhar o que se seguiria nos livros que faltavam. 

2. Personagem favorito
Harry Potter, claro. Um herói é sempre amado e adorado, em especial um herói como Harry, com qualidades invulgares e defeitos peculiares. 

3. Cena preferida de Pedra Filosofal
A minha cena preferida no filme Harry Potter e a Pedra Filosofal é quando Rubeus Hagrid surge para contar a Harry toda a verdade, tornando o aniversário de 11 anos de Harry no melhor da sua vida. Embora, também goste muito do momento em que vemos Hogwarts pela primeira vez, um momento mágico, como não podia deixar de ser. 

4. Local preferido
Hogwarts! Sem pensar duas vezes e sem margem para dúvida. O castelo faz as delícias de qualquer fã. 

5. Se fosses um Animagus em qual animal te transformarias?
Um cão, ou melhor, seria uma cadela. Um animal inteligente, leal e que é o meu favorito. 

6. O melhor vilão
Voldemort, mais uma vez, sem dúvidas ou hesitações. É verdade que a "querida" Bellatrix também está no top, mas não tem como competir com a maldade de Tom Riddle.  

7. Cena preferida de Câmara dos Segredos
Gosto muito quando, já na Câmara dos Segredos, vemos o Riddle sair do diário. Gosto do diálogo que se segue e do confronto com o Basilisco, a chegada da Fawkes para salvar o Harry. Uma cena muito forte e interessante. 

8. O melhor filme
Aviso já que sou muito mais fã dos livros do que dos filmes. No entanto, tenho de escolher um e, desse modo, terei de escolher a Pedra Filosofal pois foi o que se manteve mais fiel ao original. 

9. Qual o personagem que morreu e que gostarias que tivesse sobrevivido?
Sirius Black. É muito injusto um homem que esteve preso em Azkaban durante 13 anos sendo inocente, tornar-se um fugitivo por não ser capaz de provar a sua inocência e terminar preso na casa da sua família, de onde tanto quis fugir durante a sua adolescência. E no momento em que poderia provar a sua inocência, acaba morto. Já para não falar da perda que foi para Harry, perante a possibilidade de ter uma casa e uma família que verdadeiramente o amava, ter de ficar com os Dursleys novamente. 

10. Quem preferes do trio?
Harry Potter. Muito embora, enquanto trio, a sua força é mesmo a de reunirem as suas diferenças e semelhanças e com isso construírem uma amizade verdadeira. Gosto particularmente de um momento em Cursed Child, onde o Draco admite que sempre sentiu inveja de Harry, Ron e Hermione pela amizade que os unia e que ele nunca teve. 

11.Cena preferida de Prisioneiro de Azkaban
Embora admita que, em termos técnicos, este será o melhor filme da saga, não gosto das imensas alterações da narrativa que foram feitas. Quanto à cena preferida, seria a passada na Cabana dos Gritos, quando se reúnem Remus Lupin, Sirius Black e Peter Pettigrew. 

12. Qual o livro que mais te emocionou?
O último, pelos motivos óbvios. Foi um desejo realizado, ficar a conhecer o final da saga e desvendar, finalmente, todos os mistérios. No entanto, emociona-me o facto de ter ditado o fim dos livros que esperava sempre com grande ansiedade. Foi o fim de uma era que deixou tantas saudades. 

13. De qual personagem mudarias o final e como seria?
Sinceramente, não existe nenhum final de personagem com o qual não concorde ou que gostasse de ver acontecer de forma diferente. A coerência do mundo que J. K. Rowling criou e a sua escrita fazem-me concordar com todas as suas decisões. 

14. Qual posição jogarias no Quidditch?
Para falar com absoluta honestidade, acho que dificilmente seria uma praticante de Quidditch. Afinal, se não o faço no mundo Muggle, porque faria no mundo mágico? Contudo, sou uma adepta do desporto e a para escolher uma favorita teria de ser o Seeker. 

15. Qual personagem sobreviveu, mas tu gostarias que tivesse morrido?
Dolores Umbridge! É impossível ser fã de Harry Potter e não detestar esta mulher-sapo. É completamente odiosa, com ou sem Voldemort no poder e teria sido um favor a sua morte. Até para os novos guardas de Azkaban a sua presença deve ser um castigo. 

16. Cena preferida de Cálice de Fogo
O regresso de Voldemort no cemitério é brutal. Muito melhor no livro, é certo, mas ainda assim é uma excelente cena no filme.

17. Qual o filme que mais te emocionou?
Mais uma vez, por ditar o fim da saga, terei de escolher Harry Potter e os Talismãs da Morte Parte 2.

18. Jogador preferido de Quidditch
Viktor Krum. Por muito que goste do Harry, tenho de admitir que as habilidades do Krum no campo de Quidditch são assombrosas. 

19. Qual o livro que leste mais vezes?
Não sou capaz de responder a esta pergunta com 100% de certeza porque já perdi a conta ao número de vezes que li todos os sete livros. Relia enquanto esperava o lançamento de mais um capítulo da história e volto a reler até hoje, sempre que bate a saudade de Harry Potter. É provável que estejam a modos que empatados, todos os sete livros. 

20. A qual equipa de Hogwarts pertencerias? 
Gryffindor, claro. Onde estão os audazes! 

21. Cena preferida de Ordem da Fénix
Este livro está repleto de cenas fantásticas, mas a escolher apenas uma, escolheria a discussão entre Harry e Dumbledore no gabinete do Director após a morte do Sirius. Forte, intensa e repleta de revelações.

22. Qual o teu professor preferido?
Remus Lupin. O melhor professor que já passou por Hogwarts e pela disciplina. 

23. Que destino darias a Draco Malfoy?
Nunca esperei que ele se fosse tornar amigo do Harry e do Ron, mesmo tendo percebido que seguiu pelo caminho errado. Gosto que tenham mantido relações cordiais, mas sem grandes intimidades. Já após Cursed Child, percebemos que Malfoy e Harry ficam ligados pela amizade verdadeira e improvável que une os seus filhos. Para mim, está bom assim. 

24. Qual o filme que assististe mais vezes?
Acho que assisti apenas uma vez a cada um dos filmes. Duas, no máximo. 

25. Personagem que poderia não existir que não faria falta nenhuma.
Peço imensa desculpa, mas não consigo responder a esta pergunta. Na minha opinião, todos os personagens têm a sua importância, por mínima que seja. E ajudam a compor os diálogos ou os contextos necessários. De alguma forma, têm o seu contributo e merecem permanecer na história.

26. Personagem que só aparece nos livros, mas que gostarias de ter visto nos filmes.
Gostava de ter visto e acredito que teria sido importante conhecer a elfo doméstica dos Crouch, a Winkie. Ela foi muito importante no decorrer do livro Harry Potter e o Cálice de Fogo e se não sabes do que estou a falar vai ler o livro e depois voltamos a conversar, pode ser?

27. Personagem que é exactamente nos livros quando leste.
Severus Snape. Sem dúvida alguma, quando vi o Snape dos filmes pensei "Raios, como é que eles conseguiram ir buscar o Snape da minha imaginação??" 

28. Cena preferida de Príncipe Misterioso 
As minhas cenas preferidas de Harry Potter e o Príncipe Misterioso são as que nos mostram o passado de Voldemort, ainda como Tom Riddle. Gosto do momento em que Dumbledore lhe conta, ainda no orfanato, que ele é um feiticeiro e da forma como Harry compara este momento com o momento em que ele próprio ficou a saber a verdade. Gosto também de quando visitamos a cabana dos Gaunt e conhecemos o avô, o tio, a mãe e até o pai de Voldemort pelos olhos do funcionário do Ministério. Enfim, o Príncipe Misterioso está repleto de momentos importantes. 

29. Disciplina preferida em Hogwarts.
Defesa contra as artes negras.

30. Se pudesses possuir apenas um dos Talismãs da Morte qual seria?
Apesar de todos os contras, escolheria a Varinha. Não para andar por aí a gabar-me de ter a melhor varinha do mundo nem para vencer todos os duelos com a Varinha de Sabugueiro. Mas apenas pelo prazer de ter uma varinha! 

31. Qual a forma do teu Patronus?
Acho que também seria um cão. 

32. Intérprete favorito.
Embora esta saga tenha contado com a participação de grandes e talentosos actores, tenho de eleger o Alan Rickman, o nosso Severus Snape, como o melhor intérprete de todos os filmes. Simplesmente, brilhante.

33. A melhor adaptação
Mais uma vez, por ser o mais fiel ao livro, escolho a Pedra Filosofal. 

34. Cena preferida de Talismãs da Morte Parte 1
O regresso do Ron e a tudo o que nesse momento acontece é fantástico e foi muito bem conseguido no filme.

35. Equipa de Quidditch preferida.
Tenho de ser solidária com o nosso Ron e ser adepta dos Chudley Cannons, claro. 

36. Que lembrança usarias para produzir um Patronus?
Para me manter fiel ao mundo de Harry Potter, recordaria o momento em que comprei, por fim, o livro Harry Pottter e os Talismãs da Morte. 

37. Se pudesses escolher um feitiço para usar sempre que quiseres qual seria?
Legilimens. Não tenho a certeza se estará bem escrito, mas não quero adiar mais esta publicação para procurar nos livros o feitiço. Portanto, este feitiço permite aceder aos pensamentos das outras pessoas e era uma arte que o próprio Voldemort dominava e que lhe permitia saber quando lhe estavam a mentir. Diz lá se não dava imenso jeito?

38. Criatura mágica preferida
A fénix. 

39. De todas as criaturas mágicas que Hagrid teve, qual a que te dá mais medo?
Explojentos cauda-de-fogo. Quem não?

40. Cena preferida de Talismãs da Morte Parte 2
As memórias de Snape que Harry tem oportunidade de ver é memorável e será o último enigma desvendado e que vem responder a perguntas feitas desde o primeiro livro, quando éramos inocentes e nem imaginávamos o que ainda nos esperava. 

41. Se tomasses a poção Polisuco, em quem da saga gostarias de te transformar?
Sinceramente, só transformar não tem graça. Bom seria poder ser alguém da saga. Portanto, passo esta e deixo para quem se contente com tão pouco. 

42. Qual a tua loja preferida em Hogsmeade?
Em Hogsmeade seria o Três Vassouras, para experimentar a famosa Cerveja de Manteiga. Pode ser que me agradasse que as tradicionais cervejas de Muggles. Agora, se estivermos a falar de Diagon-Al, aí a melhor loja de todo o sempre será inevitavelmente As Magias Mirabolantes dos Weasley! 

43. Qual dos Salteadores é o teu preferido?
Pergunta difícil! Tirando o interesseiro do Wormtail, a força deste grupo era precisamente as características de cada um e a forte amizade que os unia, tal como aconteceu com Harry, Ron e Hermione. Se tiver mesmo de escolher um, vou ficar com o Sirius porque gosto da sua rebeldia e do seu sentido de humor. 

44. Para ti qual foi o personagem que fez toda a diferença na história?
Harry Potter, como não podia deixar de ser. O Rapaz que Sobreviveu fez toda a diferença ainda antes de nascer, devido à profecia. E continuou a fazer a diferença pela vida a fora. 

45. Melhor Seeker
Viktor Krum

46. Personagem que não gostarias de ser
Dolores Umbridge. Ainda é preciso explicar? Pois, bem me parecia. 

47. Se o Harry não tivesse sido inscrito no Torneio dos Três Feiticeiros, por qual dos outros torcerias?
Cedric Diggory, o campeão por Hogwarts. 

48. Qual dos Devoradores da Morte é o teu preferido?
Bellatrix Lestrange. Com toda a sua maldade e loucura, é uma personagem fascinante e brilhantemente interpretada nos filmes. 

49. Profeta Diário ou Voz Delirante?
Regra geral, Profeta Diário. Durante o tempo em que Voldemort tomou o poder, Voz Delirante. 

50. Qual seria  a continuação que darias a Harry Potter?
À data de hoje, já todos sabemos que existe uma continuação, ou seja, o oitavo livro foi lançado. Como já mencionei, a história está bem concebida e mostra-nos um Harry adulto e a sua relação com os filhos, principalmente com Albus, o mais parecido consigo próprio. Para ser perfeito, era a nossa amada J. K. Rowling pegar no argumento teatral e dar-nos o ar da sua graça e explorar devidamente a temática e a revelação principal, como só ela sabe fazer. Na impossibilidade disso acontecer, um livro, tipo enciclopédia do mundo mágico, seria muito bem vindo. Enfim, vou deixar os possíveis desenvolvimentos ou continuações na mão de quem sabe que é da própria autora da saga. 

Ufa, cheguei ao fim! Espero que te tenhas divertido a ler as minhas respostas tanto como eu me diverti a responder. E caso leves esta TAG contigo, não te esqueças de me avisar para poder espreitar as tuas respostas, pode ser? 

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Desafio de Cinema (12/52) - Director Desconhecido



O desafio desta semana deixou-me a pensar por bastante tempo, confesso. É que, salvo raras excepções, não costumo dar grande importância aos directores ou realizadores, como preferirem chamar. 

Pondo de parte os realizadores que não costumam desiludir e estão entre os meus favoritos, não me ponho com atenção em quem realiza os filmes que vejo. Assisto e depois logo decido se gosto ou não sem grandes considerações técnicas. 

Sou uma leiga, é o que é. E é nessa qualidade que aqui te vou deixando as minhas sugestões ao longo destas 52 semanas. Portanto, para chegar a um veredicto para o tema desta semana, fui dar uma espreitadela a alguns filmes de que gostei até encontrar a combinação perfeita. 

Desta forma, pensando num filme que tenha sido uma agradável surpresa e que tenha sido realizado por alguém desconhecido do grande público, surgiu-me o "Corrigindo Beethoven". Um filme que descobri por acaso, quando recebi alguns dos DVD's da colecção imensa do senhor meu pai. 

A música é uma das minhas grandes paixões e o génio de Beethoven incontornável e afigurou-se uma escolha óbvia e, ainda assim, surpreendente para um final de noite sem nada para fazer. A história está muito bem contada e mostra-nos um Beethoven no final dos seus dias, já surdo e a iniciar o que seria a corrente dos novos músicos que lhe sucederam. 

É inacreditável como um génio, mesmo depois de perder a audição, continua a compôr e a sentir cada nota. Já não com os ouvidos, mas na sua mente. Sentir a sua revolta e a sua impotência para combater o mal que o afasta do que mais ama, a música. Deixa-nos com um sabor amargo. 

Embora, a lição a tirar é a de que nem os maiores revezes da vida são capazes de nos afastar dos nossos sonhos e ambições. Basta que seja esse o nosso desejo e que nada nos faça desistir. Um filme forte, com uma mensagem poderosa e que estou certa que vais gostar tanto quanto eu. 


Sinopse
A poucos dias da estreia da Nona Sinfonia, Beethoven (Ed Harris) precisa de ajuda para transcrever as partituras. Anna Holz (Diane Kruger), uma jovem estudante de música no Conservatório de Viena, acede prontamente em ajudá-lo, apesar de conhecer o difícil carácter do compositor. Anna é arrastada para o difícil e tempestuoso mundo de Beethoven, mas vê a oportunidade como um momento único por estar a participar na criação mais sublime e espiritual do compositor. 


Podes acompanhar o Desafio de Cinema - 52 Filmes em 52 Semanas e ver os próximos temas. 

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Os Vencedores dos Passatempos da Trintona



E os passatempos de aniversário chegaram ao fim no dia de ontem. Foi muito poder celebrar contigo e ter a oportunidade de te proporcionar os fantásticos prémios que estiveram a concurso. Mas como tudo o que é bom, chegou ao fim. 

Quero, mais uma vez, agradecer aos parceiros que permitiram que estes passatempos se realizassem e que têm sido sempre de uma grande generosidade e simpatia. Como tal, espero poder continuar a contar com todos eles num futuro próximo. 

Não te quero fazer sofrer mais, portanto não vou adiar mais o que mais queres saber. Que são, claramente, os vencedores dos passatempos da trintona. São eles:





Atalhos de Portugal - Alexandra Guimarães, de Cascais
Cadernos de um cirurgião - André Silva, de Paredes e Rita Lopes, de Frazão
Escola Médica de Salerno - Marilina Fernandes, de Aveiro
Histórias a Amarelo e Preto - Ana Simões, da Golegã
Médicos Medievais Naturais de Al-Andaluz - Ana Vieira, de Santiago de Cacém
Para muito melhor - Mariana Liberdade, de Cortegaça e Regina Castelo Filipe, de Caldas da Rainha
Tycho Brahe - Fátima Gonçalves, de Monção

Parabéns aos 12 vencedores! Ainda hoje, serão contactados por e-mail, ao qual terão de responder em 48 horas a reclamar o respectivo prémio e a fornecer os dedos para proceder ao envio. 

Porque nunca se agradece em demasia, quero te agradecer a ti, que tornaste os meus 31 anos ainda mais especiais e inesquecíveis. E, como é óbvio, espero contar contigo nos próximos posts, nos próximos passatempos, nas próximas divagações, nas próximas comemorações. No próximo ano e em todos os que se seguirem. 

Obrigada a todos por tudo! 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Os não encontros da vida



Se procuras por assuntos relacionados com a data que hoje se comemora, lamento mas terei de te desiludir. Para isso, já bastou o post com as melhores músicas para namorar e, pelo menos este ano, não vais encontrar mais sobre o assunto. 

Também não vou falar de sexo no primeiro encontro ou de mulheres que não gostam de sexo. Vou puxar a cassete ainda mais para trás. Não me refiro aos encontros bem sucedidos ou aos fiascos que ficarão para a história e que servem para preencher as conversas com as amigas ou confirmam a nossa má sorte em noites de fossa. 

Vou focar-me no que está antes disso. Nos encontros que nunca se deram, que nunca aconteceram e que vivem no universo das coisas que poderiam ter sido, mas nunca foram. Existem momentos em que é inevitável pensar nos "ses" desta vida e hoje é dia de reflectir nisso mesmo.

Não com nostalgia, mas com um sentimento de injustiça cósmica. Não estás a perceber? Espera um pouco que isto já se vai tornar mais óbvio, assim que te conte exactamente do que falo. Vou começar com uma história que partilho com a minha melhor amiga. 

Já se passaram uns valentes anos e, no entretanto, já desistimos da ideia, mas houve uma época em que ambicionávamos encontrar um par de irmãos, daqueles que a pessoa até fica indecisa qual escolher, para nos tornarmos cunhadas. O que é certo é que a coisa foi e continua a ser uma tarefa árdua e com resultados pouco significativos. 

É que já é difícil encontrar um gajo giro e disponível, imagina encontrar dois com estas qualidades? Pois, como já deu para perceber, não aconteceu. O problema é quando reparo que andámos anos a passear em Espinho, a passear à beira-mar, muitas vezes a conhecer verdadeiros cromos, e nunca nos calhou em sorte que os nossos caminhos se cruzassem com os irmãos perfeitos. 

E por irmãos perfeitos quero dizer Pedro e Ricardo Guedes, criados com os belos ares de Espinho, onde moram os seus inspirados pais, e que nunca se cruzaram no meu destino. Nem de passagem, vejam bem! Injustiça, é o que me apraz dizer. 

Mais recentemente, estive a viver na Margem Sul do Tejo e trabalhei em todas as cidades dessa região. Todas, sem excepção. E em muitas vilas também. Andei a bater a tudo o que é porta, profissionalmente falando, e nunca tive a sorte de me cruzar com o gato do Filipe Vilarinho

E não foram dois ou três meses. Foram quase dois anos a percorrer toda essa zona e nem um vislumbre do rapaz. Fosse enquanto trabalhava ou num contexto mais pessoal. Nada. Zero. Agora, diz-me lá, a minha falta de sorte não é de bradar aos céus? 

Claro que não posso afirmar qual seria o resultado de qualquer um destes não encontros. Até poderiam ter corrido tão mal, ao ponto de me fazer lastimar terem acontecido. Por outro lado, poderia dar-se o caso de se revelarem perfeitos e hoje ser a feliz namorada de um destes gatos. Vá, pelo menos, poderia ter tirado umas lasquinhas e ter mais umas aventuras para contar aos netos. 

Este é o grande problema dos tais "ses" desta vida. Nunca sabemos o que poderia ter acontecido. Se teria sido fantástico ou o maior arrependimento da história dos arrependimentos. Portanto, não faças como eu. Não percas tempo a pensar nos não encontros e foca-te nos verdadeiros encontros. Seja o que tens programado para esta noite, ou nos que virão, com toda a certeza, em breve. Pode ser? 

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Desafio de Cinema (11/52) - Que vives a adiar



O nosso Desafio de Cinema desta semana visa escolher um filme daqueles que passamos a vida a adiar, deixar para amanhã, para depois, sem que nunca mais chegue o dia e a hora certa para o ver. Também estás a pensar no filme que se encaixa nessa categoria? Pois eu já pensei e é essa sugestão que venho partilhar contigo hoje. 

Assim que pus os olhos nesta categoria, lembrei-me logo dum filme que parece sujeito a uma qualquer maldição. Por mais que tente, parece que alguma coisa sempre acontece para me impedir de o ver. Ou não vou estar em casa quando dá na televisão. Ou me apanha numa altura de exaustão tal, que adormeço sem conseguir ver até ao fim. Enfim, já aconteceu de tudo. 

Infelizmente, ainda não tive a oportunidade de o tirar da lista dos filmes que passo a vida a adiar, mas dado que está no topo dessa mesma lista, faz todo o sentido ser a escolha para esta semana. Pode ser que assim ganhe vergonha e consiga finalmente assistir ao "Sacanas sem Lei". 

Eu sei que tem o gato dos gatos, Brad Pitt, que é só o meu actor favorito, e que esta já seria uma razão mais do que suficiente para desejar ver este filme. Mas é também realizado por Quentin Tarantino, um dos melhores do universo. E fala sobre a Segunda Guerra Mundial, tema que, regra geral, não desilude. Precisas de mais razões para ver? Ou melhor ainda, já viste este filme? É tão bom como promete?

Sinopse
"Sacanas sem Lei" abre numa França sob ocupação alemã, onde Shosanna Dreyfus (Mélanie Laurent) assiste à execução da sua família por ordem do Coronel Nazi Hans Landa (Christoph Waltz).
Escapando por um triz, Shosanna instala-se em Paris, onde adopta uma nova identidade como proprietária e gestora de um pequeno cinema.

Algures noutro ponto da Europa, o Tenente Aldo Raine (Brad Pitt) dirige um grupo de soldados judeus mobilizado para actos de retaliação. Conhecidos pelos seus inimigos como "Os Sacanas", o pelotão de Raine reúne-se à actriz alemã e agente secreta Bridget Von Hammersmark (Diane Kruger) numa missão que visa aniquilar os líderes do Terceiro Reich. Os destinos cruzam-se sob o tecto do cinematógrafo com Shosanna, apostada em levar a cabo um plano de vingança por si inteiramente engendrado. 


Podes acompanhar o Desafio de Cinema - 52 Filmes em 52 Semanas e ver os próximos temas.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

As melhores músicas para namorar



O Natal já está mais que passado e a última playlist está para lá de desactualizada. Portanto, agora que se aproxima a data mais temida pelos solteiros, que é como quem diz, o dia dos namorados, está na hora de mudar o chip e começar a pensar no amor. 

Apesar de fazer parte do lote de solteiros deste país, sou uma pessoa apaixonada pela vida e pelo amor. Ou pela paixão. Como tal, sem ser adepta de lamechices, não deixo de ser uma romântica e com um gosto particular por boa música. 

E como falar de música sem falar de amor? É um tema incontornável em qualquer forma de arte, onde a música não poderia ser a excepção. Por tudo isto, decidi partilhar contigo as músicas mais bonitas, românticas e perfeitas para namorar muito e para namorar bem. 

Como ponto de convergência para a escolha das melhores músicas para namorar, escolhi a língua portuguesa. Porque temos a mania que em inglês é que as músicas são românticas e sofremos de imensos complexos com a nossa língua no que toca a declarações de amor. Assim, agarrada aos meus melhores fones Brainwavz, iniciei esta missão. 

O objectivo é demonstrar, com estas músicas, que é possível cantar o amor em português e obter resultados ainda melhores do que as músicas estrangeiras. Porque temos uma língua lindíssima, com palavras extraordinárias e que, quando bem escritas, as letras conseguem tocar nos nossos corações de uma forma que em mais nenhuma outra língua ou dialecto. Não concordas? Então tira a prova dos nove com as músicas que se seguem.

"Eu sei que vou te amar", por Caetano Veloso

"É isso aí", por Ana Carolina e Seu Jorge

"Quando a chuva passar", por Ivete Sangalo

"A Miragem", de Marcus Viana

"Quase Perfeito", por Donna Maria com a grande Marisa Liz e ainda maior Paulo de Carvalho

"Tudo o que eu te dou", de Pedro Abrunhosa

"Sorte Grande", por João Só e Abandonados com Lúcia Moniz

"Problema de Expressão", por Clã

No decorrer da construção desta playlist com músicas para namorar, apercebi-me que a grande maioria das minhas músicas favoritas são sobre desamor ou desgostos amorosos. Não imaginam a dificuldade que foi fugir delas, porque não era esse o objectivo neste momento. 

Mas ficaram bem guardadas, até porque quer-me parecer que existe sempre quem precise duma playlist com músicas para corações partidos. Parece-te boa ideia para um futuro post?

Para já, qual a tua música de amor favorita? Consegui acertar com alguma das minhas escolhas?

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Os presentes de aniversário



A ideia continua a não me agradar, mas não consigo fugir. Portanto, só me resta resignar ao facto de que mais um aniversário se passou e que fiquei um ano mais distante dos loucos anos 20. Agora tenho mesmo de me habituar à ideia de que sou uma trintona. 

Posto isto, e como sei o quanto gostas de ver os meus presentes, decidi fazer um post especial só com os presentes que recebi neste aniversário. Antes de começar, não me posso esquecer de mencionar que o primeiro presente já foi partilhado quando te mostrei os meus presentes de Natal. Refiro-me ao telemóvel que o senhor meu pai me ofereceu que, por ser um presente mais caro, foi a junção dos presentes de Natal e de aniversário. Afinal, isto de fazer anos em Janeiro tem de trazer algumas vantagens, de vez em quando. 

Já não é novidade que dispenso as festas e as comemorações, mas fico sempre feliz por saber que tantas pessoas se lembraram de mim nesse dia. Existem mensagens ou telefonemas que valem mais que mil presentes. No entanto, no que toca aos presentes propriamente ditos não me posso queixar. 

Fui bafejada com algumas coisas que há muito me faziam falta e é isso mesmo que agora partilho contigo. Queres ver o que recebi neste aniversário? Pois que venham de lá as fotos desses presentes! 

Este foi o presente que me chegou pela simpática Marta e que podes encontrar na loja The Power*Babes Collection. Um caderno do panda, fofo que só ele.
No entretanto, não te esqueças de participar no passatempo a decorrer para ganhares um prémio desta loja fantástica. 

Infelizmente, a foto não faz justiça à beleza desta camisa. Mas posso assegurar-vos que era mesmo de uma camisa assim que andava à procura. Da Stradivarius.

Esta era uma busca que me andava a tirar do sério desde o final do ano. Desde que recebi o telemóvel, que procurava pela capa perfeita. Ou, pelo menos, da primeira para proteger o meu novo telemóvel. Mas tinha de cumprir alguns requisitos estéticos que estavam a tornar a tarefa bem mais complicada do que poderia prever. Até que descobri o site Capas de Telemóveis e tudo se resolveu num ápice.

Por fim, este aniversário trouxe-me a mala preta que tanto precisava. E veio de uma loja que não costuma prender a minha atenção. Depois de receber esta linda mala, tenho a certeza que vou incluir a Natura na lista das lojas a visitar.

Gostaste dos meus presentes de aniversário? Qual o teu favorito?

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

#Livros - Mors tua, vita mea, de Vanessa Santos



Sinopse
Sou a Sara, e estou agoniada, desesperada, com suores frios, o mundo ganhou profundidade, está calor, não, é frio, estou tonta. Tirem-me daqui, por favor.


É assim que se inicia o relato de Sara, a rapariga mais comum da cidade de Leiria. É-lhe transmitido pelo seu chefe um segredo de família que lhes trará dificuldades e mudanças.
Em pouco tempo, Sara verá a sua vida dar uma volta de 180º, viverá momentos de pânico, medo e de pura paixão.
Trata-se de um relato divertido, que descreve o desenrolar da trama de uma forma leve, dando a conhecer o ponto de vista de uma jovem na casa dos vinte anos e no auge da sua imaginação, descrevendo as cenas que vive com à-vontade e humor.

Opinião
Depois de ler um livro viciante como foi Casamento em Dezembro, fui contactada pela simpática Vanessa Santos no sentido de ler e opinar sobre o seu livro, lançado pela Chiado Editora. O livro chegou a minha casa, mas não recebeu imediatamente a minha atenção porque nem sempre a vida me permite ler da forma como gosto, que é compulsivamente da primeira à última página.

A verdade é que, depois de ler A Peónia Vermelha a minhas fasquia para livros desta editora estava muito alta e, nestas circunstâncias, é muito difícil agarrar-me logo ao próximo que poderá trazer uma desilusão. O que não aconteceu, nem uma coisa nem outra.

Isto é, este livro da Vanessa não ultrapassou o anterior mas também está longe de ter desiludido. Admito que, quando comecei a leitura, estava à espera de encontrar algo leve e descomplicado, que não permanecesse muito tempo na minha mente. Não poderia estar mais enganada.

A primeira parte do livro, contada em flashback, prendeu-me de tal forma que só parei quando cheguei ao momento onde começou a narrativa temporalmente. Perdi completamente a noção do tempo, só para perceberem como se tornou interessante. Para isto, ajudou muito a minha natureza curiosa e a forma misteriosa como a narrativa foi construída.

A dada altura senti que aquilo se estava a tornar repetitivo e a começar a ser demasiado fantasioso, pelo menos pensando eu saber qual seria o final da história. Quando cheguei à última página, ganhei uma outra compreensão para o desenrolar da trama daquela forma.

O enredo começa leve e solto e termina como algo bem mais pesado e profundo. Irritou-me um pouco as respostas que ficaram suspensas num limbo de incertezas, mas que espero ver respondidas numa sequela. Assim de repente, acho que vou ter de perguntar à Vanessa se já está a tratar de escrever o próximo.

Posto isto, se queres um livro levezinho para descontrair, este não é o livro certo. Agora, se procuras uma história que te prenda e te surpreenda, este bem poderá ser o livro que procuras. 

Podes comprar o teu exemplar aqui, com 10% de desconto e portes grátis.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Desafio de Cinema (10/52) - Guilty Pleasure



O Desafio de Cinema está de volta com uma categoria que se encontra entre as minhas favoritas. Afinal. acredito que toda a gente tem aquele filme que, não sendo uma obra-prima do cinema, nos aquece o coração de uma forma como poucos são capazes de fazer. 

Mais uma vez, esta foi uma escolha fácil de fazer. É que, quando penso num filme que se enquadre na descrição que acima partilhei, o primeiro que me ocorre é o célebre e inesquecível Rocky. Um filme marcante para toda uma geração. E que penso ter ganho novo fôlego com as mais recentes sequelas.

Além de gostar da história de superação e da mensagem que passa de que não existem sonhos impossíveis, gosto muito da história por trás do filme. Ou melhor, do tanto que Sylvester Stallone lutou para concretizar este seu sonho.

Bateu a inúmeras portas com este guião e todos lhe disseram que não. Quando finalmente lhe disseram que sim, queriam colocar outro no papel de protagonista. E o que fez Stallone? Recusou. Porque o seu sonho incluía ser o intérprete da personagem que criou.

O que é certo é que este seu sonho tornou-se real e um êxito e foi a alavanca para a carreira que construiu em Hollywood. Tal como Rocky alcançou o sucesso, ainda que parecesse destinado ao fracasso e a tornar-se um marginal.

Trata-se de uma saga de culto e que todos deveriam ver, pelo menos uma vez na vida. Já assististe a algum filme de Rocky Balboa? Qual o teu favorito?

Sinopse
Em 1976, o público encheu cinemas para aplaudir um desconhecido chamado Sylvester Stallone num papel para o qual nasceu: Rocky Balboa, um fracassado que tem uma oportunidade única de lutar por amor, por auto-estima e pelo campeonato mundial de pesos pesados... e vencer. O aplauso ainda não acabou. O filme que muitos espectadores colocam entre os seus favoritos de sempre, continua um filme inspirador e exuberante, cheio de acção. A sua emocionante herança continua nas várias sequelas, uma das mais bem sucedidas de filmes da história do cinema. 


Podes acompanhar o Desafio de Cinema - 52 Filmes em 52 Semanas e ver os próximos temas. 

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Uma noite com... #122










Carlos Sousa
O maior gato de todas as Casas dos Segredos e afins e, finalmente, vencedor de um Reality Show.

Podes ver os gatos das semanas anteriores aqui.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Eu fui aos Saldos - Primark



Vamos continuar em busca dos melhores saldos deste país? Depois de te ter mostrado os frutos das minhas visitas à Stradivarius e à C&A, é chegado o momento de te mostrar o que trouxe de uma das melhores lojas para encontrar coisas bonitas, boas e baratas. Falo, como é óbvio, da Primark.

Já se passou quase um ano desde a última visita que fiz à Primark, e estava em pulgas para lá voltar, especialmente em época de saldos. É que se em épocas normais já é uma perdição, em época de saldos é a loucura.

E foi, mais ou menos, isso que sucedeu. A loucura de encontrar algumas peças que me roubaram o coração. Querem ver?

O grande defeito da invenção das leggings é que a pessoa habitua-se ao conforto que é usá-las e já começa a torcer o nariz a comprar calças. Portanto, lá tive de reforçar as minhas leggings e trouxe umas cinzentas. Depois foi o achado do ano que foi esta t-shirt com as riscas tão em voga nos últimos tempos. 

Dá para acreditar que comprei esta camisola por cinquenta cêntimos??

Para mim saldos começam assim, nos 50%. Menos que isso não são saldos dignos desse nome. Assim, as minhas leggings custaram apenas 4€. 

O melhor lugar do mundo para comprar lingerie continua a ser minha adorada Primark. E por isso, aproveite esta visita, para comprar um conjunto preto, que nunca é demais, mesmo sem estar em saldos. 

E depois perdi a cabeça quando comecei a encontrar peças da colecção Harry Potter que tanto vi por esta blogosfera. Penso que quase sofri uma paragem cardíaca, tamanha foi a emoção. Estas meias lindas custaram apenas 1€ e ainda vêm com o endereço de Privet Drive. Só faltava mesmo a assinatura do Dobby no cartão. 

E para fechar com chave de ouro, dei de caras com uma camisa de dormir com o próprio do Chapéu Seleccionador estampado! Por apenas 4€ veio morar para minha casa e não podia estar mais feliz. Quer dizer, se calhar até podia. Bastava ter mais dinheiro para gastar e encontrar mais peças deste género. 

Gostaste das minhas compras nos saldos da Primark? Qual a tua peça favorita?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...