quarta-feira, 31 de maio de 2017

5 Dicas para fazer férias sem estourar o orçamento



Já se passou mais de um ano desde a última vez que fiz um post totalmente sobre viagens e férias e destinos de sonho e todas estas coisas que nos roubam suspiros, especialmente nesta altura em que a malta já só pensa nos dias de férias a que tem direito e no quanto estão perto, e ainda tão longe. Admite, só com esta pequena introdução, quantos suspiros já te roubei?

Eu confesso, fui obrigada a fazer uma pausa, pois já estava de olhos vidrados com o pensamento perdido por entre todos os planos que vivem na minha cabeça relacionados com a temática FÉRIAS! Este ano, as ditas não me escapam e vou gozá-las ao máximo. Haja força e dinheiro no bolso. Sendo que este último é a parte mais complicada da coisa. 

Nesse sentido, no ano passado, fiz o Top 10 Escapadinhas Económicas na Europa, e é com esse mesmo propósito que hoje venho partilhar cinco dicas para se fazer umas boas férias sem estourar o orçamento e declarar falência técnica ao final de uma semana. Até porque a vida continua e as despesas não se compadecem desses pormenores. 

Portanto, para que isso não te aconteça (ou volte a acontecer), vamos procurar formas de evitar esse cenário catastrófico e encontrar a fórmula perfeita para viver umas férias fantásticas sem arruinar a carteira. Vamos às dicas?

1. Vai para fora cá dentro


Irá depender sempre da tua disponibilidade financeira, mas a forma mais imediata de poupar algum dinheiro na hora de ir de férias é ficares por terras lusas. Longe de mim desencorajar que se conheça mundo, logo eu que espero ansiosamente pelo dia em que me seja possível viver a viajar. No entanto, na maior parte das vezes, olhamos para o "exterior" com deslumbramento e somos uns totais ignorantes acerca do que de melhor temos. 

Pois, é que em Portugal, país pequeno à beira-mar plantado, temos de tudo. Queres fazer o circuito praia-piscina-praia? Temos tantas e das melhores. Queres uma rota cultural? O que não nos falta são cidades repletas de História e acontecimentos culturais. Queres a tranquilidade do campo? Há quem diga que não existe verdes como os de Portugal. Portanto, não tens mesmo desculpa para não escolher um destino nacional para estas férias, certo?

2. Pesquisa a opção de transporte mais económica


Dado que a ideia é sair da nossa zona de conforto e descobrir lugares novos, isso implica uma deslocação, seja ela longa ou curta. O que se traduz numa despesa acrescida para as tuas férias. E é por isso mesmo que a pesquisa da melhor opção é tão importante. Ao poupares na deslocação, libertas dinheiro para gastar noutras coisas mais divertidas ou interessantes. 

Contudo, esta não é uma fórmula isolada, a menos que vás viajar a solo. É preciso dares algum uso à matemática que te resta na memória (que no meu caso é reduzida e só funciona quando se lhe coloca um € à frente), para encontrar a opção mais económica. Primeiro deves determinar quantas pessoas são. A partir daqui podes começar os teus cálculos, pesquisando o preço de bilhetes nas várias possibilidades de transporte para o destino em questão. 

Porém, não deves ignorar a hipótese de levares um carro. Faz as contas de quanto ficaria a viagem e divide esse valor pelo número de pessoas. Agora sim estás em condições para fazer uma comparação realista e determinar qual o mais amigo da tua carteira. Não te esqueças de verificar se existe algum desconto associado de que possas usufruir. Sei do caso da CP, por exemplo, que dispõe de bilhetes com desconto mediante a compra antecipada dos mesmos. 

3. Tira partido do Airbnb 


Outro factor determinante na hora de fazer contas às ferias é o alojamento. Porque dormir debaixo da ponte é capaz de não dar jeito, é necessário encontrar a melhor oportunidade. Um Hotel minimamente decente é coisa para pesar no orçamento e um Hostel, por muito giro que seja, nem sempre resulta para quem não está disposto a partilhar um quarto com uma mão cheia de desconhecidos. 

E é assim que surge uma plataforma inovadora e que nos permite conhecer os destinos, de forma mais económica, com condições para todos os gostos e tirando partido da visão da gente local. Falo, claro, da Airbnb, onde podes encontrar uma casa ou quarto, conforme o que mais preferires, em tudo o que é lugar do mundo. E o nosso Portugal não é excepção. De Norte a Sul, sem esquecer as Ilhas, é possível alugar um espaço a preços muito simpáticos. 

Se ainda tens dúvidas, vai lá espreitar e confirma o quanto podes poupar em alojamento nestas férias, cá dentro ou lá fora. 

4. Poupa nas refeições sem passar fome


Depois da Deslocação e do Alojamento, o terceiro vértice deste triângulo de despesas passa pela Alimentação. É que mesmo de férias, a pessoa precisa de se alimentar, algo que se pode tornar ainda mais complicado quando não se conhece o destino nem os melhores sítios para matar a fome. 

Contudo, depois de te instalares numa casa Airbnb que, por norma, tem uma cozinha, é muito mais fácil poupar nas refeições. Não estou, de todo, a dizer que deves ficar com a barriga encostada no fogão para preparar o pequeno-almoço, almoço e jantar. Mas podes seleccionar melhor os momentos em que queres conhecer os restaurantes e a gastronomia do local onde estás. Em contrapartida, podes poupar nos cafés da manhã e nas refeições em que apenas precisas de comer alguma coisa. 

5. Procura programas gratuitos


Quanto tens um local inteiramente novo para descobrir, as opções são inúmeras e cada uma melhor que a outra. O que significa que deves fazer bem o teu trabalho de casa e investigar a fundo o que podes fazer, ver e conhecer. Nessa pesquisa não te esqueças de procurar se os locais que queres visitar têm algum desconto associado (como para jovens, estudantes, etc.) ou até um dia específico com entrada gratuita. 

Assim, poderás planear os teus dias de maneira a aproveitar ao máximo o que os lugares têm para oferecer e ainda poupar algum dinheiro nesses programas. Ainda tens dúvidas de que estas férias vão ser as mais económicas da tua vida? Gostaste das dicas de poupança? Achas que me esqueci de alguma?

Nos entretantos, caso queiras ir para fora e conhecer novas culturas, e ainda assim manter o orçamento de boa saúde, fica a saber que a TAP tem 10 novos destinos, com preços que começam nos 35€ e que estarão em vigor a partir de 10 de Junho. Vê alguns dos novos destinos e diz-me, para onde voavas nestas férias?


terça-feira, 30 de maio de 2017

A obsessão com a escolha de um nicho



É chegado o momento de te falar sobre um tema que me tem surgido em tudo o que é canto e que me causa uma certa irritação. Já te mostrei as minhas últimas aquisições literárias e entre elas, como certamente reparaste, encontra-se o livro Ser Blogger

Em breve irei falar mais a fundo sobre este livro, mas não me foi possível continuar a ignorar este apelo que se faz pela escolha de um nicho e pela exploração desse nicho. O livro terá sido a última gota, por ter sido a última referência a que tive acesso onde esta temática é abordada. Contudo, em tudo o que é sítio em que se fale abertamente sobre este universo que é a blogosfera se fala de como é importante fazer uma escolha. 

Infelizmente, em Portugal não se encontra muita informação sobre isto e durante estes anos em que tenho sido autora deste blog tenho sido "obrigada" a beber conhecimento em muitos blogs estrangeiros, nomeadamente, ingleses, americanos e brasileiros. Em todos o conselho mais repetido é de que, para se ter o maior sucesso, é necessário escolher um nicho sobre o qual focar os assuntos do blog. 

Como não sou pessoa desprovida de inteligência, consigo compreender os motivos de quem defende essa forma de estar na blogosfera e esse caminho prático para alcançar uma posição privilegiada neste universo em constante crescimento. No entanto, não sou capaz de aplicar esse conselho tão sensato. Já percebi que o facto de me focar num tema-chave me colocaria numa posição de especialista aos olhos de quem me lê. Já entendi que seria muito mais fácil o contacto com as marcas e a rentabilização do blog. 

A sério que compreendo todas as vantagens. Assim como entendo quem opta por seguir este conselho e se dá bem com ele. Na minha forma de estar na blogosfera, isso não encaixa. Porque quando criei o Não Digas Nada a Ninguém a minha intenção foi voltar à minha grande paixão, a escrita. E através dela partilhar com o mundo tudo o que para mim faz sentido, os meus interesses (que são imensos e variados), as minhas experiências e a minha forma de estar na vida. 

É certo que tenho muita vontade de fazer cada vez melhor, chegar a cada vez mais pessoas e alcançar o dito sucesso com ele. Por isso mesmo é que estou sempre à procura das melhores dicas, seja através dos blogs que falam sobre isto de ter um blog ou do livro que tanta falta fazia em Portugal. Só que não sou capaz de abandonar o conceito de lifestyle que para mim é o que faz sentido. 

Claro que sigo blogs focados nos assuntos que despertam o meu interesse, mas também gosto de ver blogs com uma componente mais pessoal. Onde a pessoa se revela e se dá a conhecer. É nesse tipo de blog que conheço pessoas fantásticas e com quem criei as ligações mais próximas. Isto para dizer que lamento que actualmente seja muito complicado encontrar esse tipo de blog, com essa naturalidade e genuinidade. 

Portanto, se andas a pensar criar o teu blog o melhor conselho, e que também vais encontrar em toda a parte, é fazeres um projecto à tua imagem e semelhança onde falas de algo que te apaixona. Porque essa paixão passa para quem lê e é o melhor cartão de visita e o maior incentivo para que os leitores voltem e sigam com atenção o teu trabalho. 

Conta-me, existe um tema específico que te faça seguir um blog? Ou preferes os mais generalistas?

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Desafio de Cinema (26/52) - Musical



Estava difícil mas enfim chegamos à metade do Desafio de Cinema. E logo com um tema que me aquece o coração. É verdade que as últimas décadas não apostaram muito neste género e que é cada vez mais difícil trazer filmes musicais de elevada qualidade. O que não invalida o valor do mesmo, até o sublima pela dificuldade inerente. 

Um dos sonhos da minha vida é assistir a um espectáculo ao vivo na Broadway, algo que espero concretizar num futuro próximo. No entanto, enquanto esse dia não chega, convido-te a conheceres a minha obra favorita de todos os tempos na sua versão cinematográfica. Refiro-me ao filme "O Fantasma da Ópera"

A música desta peça é do que de melhor já se fez. Tem o condão de nos transportar no tempo e transmite todas as emoções de uma forma que só a música é capaz. E depois a história com a sua aura de mistério, talento e paixões várias. De facto, quando penso neste filme, tenho dificuldade em acreditar que existam pessoas no mundo que sejam capazes de não gostar dele. 

Portanto, preciso que me contes, o que mais gostas neste Musical? O que te faz não gostar? E já agora, qual o teu Musical favorito?

Sinopse
Dirigido pelo aclamado Joel Schumacher e pela mão do compositor Andrew Lloyd Webber chega esta adaptação cinematográfica do musical mais espectacular de todos os tempos.

Por entre as sombras do teatro onde vive a inocente menina do coro, Christine (Emmy Rossum), a voz dele clama por ela, estimulando-lhe o seu extraordinário talento. 

Baseado no romance de 1910 de Gaston Leroux, O Fantasma da Ópera de Andrew Lloyd Webber é a clássica e extremamente emotiva história de um triângulo amoroso entre a bela cantora de ópera Christine (Emmy Rossum), o seu namorado de infância Raoul (Patrick Wilson) e o Fantasma (Gerard Butler), um atormentado e horrivelmente desfigurado génio musical. 


Podes acompanhar o Desafio de Cinema - 52 Filmes em 52 Semanas e ver os próximos temas. 

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Alergia ao pisca-pisca



Hoje, irei falar para os automobilistas deste mundo e deste país em particular. Claro que se no teu caso, ainda não fazes parte desse grupo podes continuar a ler. Pode ser que a problemática que hoje te trago venha a revelar-se útil no futuro. E o grande problema que me assola nas estradas nacionais é a alergia que a malta tem à prática de sinalizar as manobras.

Já é do domínio público a minha paixão pela arte de conduzir veículos de quatro rodas, o que não significa que me considere a miss perfeição. Com toda a certeza, também farei manobras incorrectas e devo ter momentos em que vou contra as regras do código da estrada. Tal como os acidentes rodoviários, estas coisas só não acontecem a quem não conduz. 

No entanto, há determinados limites que, quando ultrapassados, só revelam uma total ausência de aptidão para a condução de veículos ou uma tremenda falta de respeito pelos outros, os que partilham a via pública com eles. Muitas são as situações que podem culminar com este raciocínio lógico, contudo no dia de hoje iremos conversar sobre os piscas.

Ou melhor dizendo, sobre os condutores que se esquecem que eles existem nos seus automóveis, aliás são parte integrante dos mesmos e podem ser encontrados em todos as marcas e modelos. Não se trata aqui de um extra, mas de uma parte obrigatória em todos os carros. Como tal, são para ser usados, ok? 

Não quero com isto parecer uma fundamentalista dos piscas. Eu própria não os uso de todas as vezes em que faço uma manobra a que a isso obrigue. Especialmente quando vou sozinha na estrada, sem sinal de outros carros nas redondezas. Agora, parece-me de facto inusitado que, quando se vai numa estrada movimentada, com carros atrás, a malta ignore esse procedimento básico e que ajuda a que a sua traseira (do carro, claro) permaneça intacta. 

Portanto, amigo condutor, gostaria de te pedir que tenhas atenção na hora de efectuar manobras, sejam virar à direita ou à esquerda, encostar na berma ou parar algures e avises os demais condutores do que vais fazer. É só para evitar travagens bruscas e que te chamem muitos nomes feios e, em última instância, evita também acidentes. Pode ser ou estarei eu a pedir demais?

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Livros para oferecer no Dia da Criança



Como esta ano de 2017 parece ter asas nos pés, na próxima semana já vamos entrar no mês de Junho. Será o mês do início oficial do Verão, da época balnear, dos Santos Populares e começa com o fofinho Dia Mundial da Criança. Data comemorada por todos, afinal não andamos todos a dizer ao mundo que temos uma criança dentro de nós?

Além disso, todos os filhos são sempre crianças aos olhos dos pais e é isso mesmo que faço questão de relembrar aos meus por esta altura. Só para que não pensem que lá porque a pessoa já passou dos trinta não tem direito a receber o seu presente do Dia da Criança. Acusa-te, também fazes parte deste movimento? 

No entanto, hoje quero mesmo falar de crianças, no total sentido da palavra. Aqueles seres que ainda estão a crescer e a formar o que serão um dia e que espero que se concretize em adultos felizes, realizados e com os valores e princípios necessários para serem boas pessoas. E nesse percurso, nada como incutir bons hábitos e permitir que vivam imensas aventuras, outras vidas, viajem sem sair do lugar e conquistem amigos para toda a vida.

Atenção, que não sou a pessoa que oferece roupa, que faz sempre falta, às crianças. Tenho uma excelente memória, portanto recordo-me que detestava receber esse tipo de presente. Contudo, quer-me parecer que actualmente os miúdos são inundados de brinquedos, aos quais não dão grande valor. Até porque não esperam por eles o tempo suficiente para o desejo crescer e a excitação de o receber ser significativa.

E é por isso mesmo que, neste Dia da Criança, acredito que o presente prefeito pode muito bem ser um livro. Depois de ter estourado o orçamento com as novas aquisições literárias, esta foi a desculpa perfeita que encontrei para ir procurar mais livros, sem correr grandes riscos financeiros. Até porque ainda não tenho crianças em idade de aproveitar estas ideias e já tive oportunidade de ler grande parte destas sugestões. Tudo a postos para surpreender as vossas crianças?



Agora que tanto se falou sobre o novo filme, parece-me o momento perfeito para que os mais novos conheçam o livro que deu origem a este conto de fadas, não concordas?



É certo e sabido que recomendo Harry Potter a toda e qualquer pessoa que ainda não se tenha rendido a este universo mágico. Mas nada igualará o sentimento de se começar a ler na infância e acompanhar o crescimento dos personagens ao mesmo tempo que se cresce também. Quem sabe a criança não se apaixona pela poder da magia até culminar com o derradeiro livro?



Este é um livro para crianças que pode ser de grande utilidade para os paizinhos. Afinal, a imaginação não deverá ser assim muito fértil na hora de deitar a criançada, especialmente depois de todo um dia de trabalho e tarefas várias. Cumpre a função de incutir o gosto pelos livros aos mais pequenos e ainda facilita a vida dos pais. Queres coisa melhor?



E agora um clássico da literatura juvenil. Simples, acessível e repleto de mensagens fundamentais. Não sei se ainda se mantém, mas no meu tempo era leitura obrigatória na escola o que significa que poderá ser também um investimento a longo prazo. Os adultos que passaram ao lado desta história, podem aproveitar esta "desculpa" para recuperar o tempo perdido. 



O que eu gostava destes livros, minha gente! Se estas senhoras ainda não perderam o jeito entretanto, tenho a certeza de que qualquer jovem se vai prender a estas aventuras fantásticas, onde nos divertíamos e ainda se aprendia uma coisas.

Agora que já recebeste alguma inspiração, o que vais oferecer às tuas crianças no dia 1 de Junho?

terça-feira, 23 de maio de 2017

Globos de Ouro 2017 - De Bestial a Besta



Pela primeira vez na história deste blog (ou assim quer-me parecer), iremos debruçar-nos sobre a passadeira vermelha de um evento nacional. Falo, claro dos Globos de Ouro que decorreu no passado Domingo. Não tive oportunidade de assistir em directo, mas deparei-me com algumas modelitos nas redes sociais e não resisti a dizer de minha justiça. 

Depois da desgraça dos outros Globos de Ouro e do que de melhor e pior apareceu nos Óscares, concluí-se que não ficamos nada atrás do que se passa além fronteiras. A falta de vestidos inesquecíveis é geral e a capacidade de fazer escolhas do arco da velha é comum a todos, portugueses e estrangeiros. 

Posto isto, iremos dividir o que me saltou à vista entre os Bestiais e as "Bestas". Ou seja, as que se safaram na hora de desfilar a beleza na maior passadeira vermelha nacional e as que se espalharam ao comprido e que melhor faziam em ter assistido em casa, de pijama. Vamos a eles?

De bestial...


Dada a escassa oferta de vestidos bestiais, este ganha o primeiro lugar no meu coração. Claro que também ajuda ter o corpinho da moça, mas não invalida que seja uma boa escolha.


Não sou a maior fã de vestidos brancos, especialmente nestes eventos, mas tenho de admitir que ficou perfeito na Clara de Sousa. Elegante e requintado, ainda mais se olhar à esmagadora maioria do que por lá passou. 


Mais uma senhora a dar uma lição às meninas mais novas. Mais uma vez, não era coisa que usasse eu própria, mas ficou um charme na Maria João Luís. 


A querida Raquel Strada nunca erra. Pelo menos, não tenho memória de a ter visto mal. Podia ter feito melhor, é verdade, mas ainda assim está no Top da noite. 


E parece que os "Bestiais" são todos dados ao preto e branco. As sandálias não me convencem, embora fizessem sucesso em qualquer Escola de Samba brasileira, mas o vestido tem qualquer coisa que agrada. 

... a Besta


A doce Ana Marques quis seguir a máxima "com um vestido preto nunca me comprometo", mas a coisa não correu como era suposto. Não é carne nem peixe, que é como quem diz, nem comprido nem curto. Desejo mais sorte para o ano que vem, sim?


A Bárbara além de perder a apresentação da Gala, decidiu substituir a bola de espelhos, peça essencial em toda e qualquer discoteca que se preze. Já para não falar naquela pochete, coisa estranha ou é da minha vista?


Esta rapariga irrita-me profundamente. É daquelas que tinha tudo para ser a mulher da noite em tudo o que é evento, porque é dona de uma beleza que não deixa qualquer margem para dúvidas. E depois aparece-me nesta figura! 


Aborrecido. Muito aborrecido...


Sofia, querida, já sabemos que um trench-coat é um básico em qualquer armário de sucesso, mas não era preciso levares o teu para os Globos de Ouro, ok?


Eu sou a pessoa que gosta de irreverência e gente que não tem medo de arriscar e simpatizo bastante com o nosso talentoso Darko. Posto isto, qual foi a ideia, meu amor?

E aqui temos as escolhas do que de melhor e pior se viu na passadeira vermelha dos nossos Globos de Ouro 2017. Agora conta-me, qual o melhor da noite? E já agora, qual o pior?

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Desafio de Cinema (25/52) - Tema Tabu



Aqui estamos nós, quase a meio deste Desafio de Cinema, que tantos momentos agradáveis me tem proporcionado e que espero se estenda a ti, que estás desse lado a "levar" com as minhas sugestões e divagações várias. Assim que pus os olhos no tema desta semana, ainda antes de começar a concretizar o desafio aqui no blog, soube imediatamente o filme que iria eleger para esta categoria. 

De facto, não será uma novidade, uma vez que já aqui falei deste filme e da forma como me apaixonei pela história de amor que nos é contada em "O Segredo de Brokeback Mountain". Mais uma vez afirmo que só nas mentes preconceituosas será destacado o facto de estarmos a falar de um casal homossexual. 

A mensagem que passa, com uma beleza e intensidade enormes, é a de uma paixão, de um amor, vivido na clandestinidade, precisamente pelo medo do preconceito dos outros. O desempenho dos actores, especialmente dos protagonistas, é brilhante. Mesmo nas cenas mais envolventes do ponto físico, não existe uma ponta de vulgaridade. Tudo faz sentido, porque faz parte da história de amor que nos é contada.

A banda sonora também contribui para criar este clima de inevitabilidade. Ao mesmo tempo que fogem um do outro, sentem-se igualmente impelidos a viverem os seus momentos sempre que possível. A montanha torna-se o seu refúgio e o lugar que guarda o seu maior segredo. Não se trata de sexo neste filme, mas de amor. Um amor do qual não se pode fugir nem negar.

Felizmente, cada vez se fala mais sobre a Homossexualidade, como algo normal (que é), e se condena a Homofobia. No entanto, este será sempre um Tema Tabu, pelo menos enquanto existirem pessoas (ou uma única que seja) que se sentem impedidas de viver, de manifestar ou assumir publicamente o que as faz feliz. Sem restrições de géneros ou falsos moralismos quanto a orientações sexuais alheias. 

Quanto a ti, já conhecias este grande filme? Que opiniões tens a respeito dele?

Sinopse
Durante quase duas décadas, dois homens que se conheceram enquanto jovens, quando ambos guardavam um rebanho de ovelhas nas encostas da montanha Brokeback, no Wyoming, vivem uma secreta história de amor, desejo e negação. Ang Lee dá-nos aqui uma ousada história de amor e perda, de desejo reprimido e vidas e oportunidades falhadas. Num dos seus melhores trabalhos, premiado com o Óscar de melhor realizador, Ang Lee assina um drama de grande intensidade e dramatismo em que explora de forma subtil aspectos menos óbvios da natureza humana.


Podes acompanhar o Desafio de Cinema - 52 Filmes em 52 Semanas e ver os próximos temas.

sábado, 20 de maio de 2017

#Parceria - Novos Recebidos Oriflame



parceria com a Equipa Orineves continua de vento em popa e, por isso, aqui estamos hoje para falar de mais alguns produtos que vieram morar para minha casa esta semana. Quem não gosta de chegar a casa, cansada do trabalho, e encontrar à sua espera uma encomenda com produtos de beleza? Cá pela parte que me toca, é coisa que aprecio bastante. 

O que significa que foi com muita satisfação que verifiquei as novidades Oriflame que terei a oportunidade de experimentar nos próximos tempos. Não desfazendo no que recebi até à data (que podes verificar em pormenor aqui e aqui), quer-me parecer que estes dois produtos novos irão dar que falar e te vão deixar em pulgas para saber a minha opinião.


Começamos com os cuidados do corpo, por vezes negligenciados, especialmente durante o Inverno, em que andamos com a pele mais escondida dos olhares. Porém, estamos em plena Primavera, com o Verão a espreitar em tudo o que é canto, e não existem mais desculpas para descurar os cuidados com a pele do corpo. 

Agora que estou em pleno na casa dos trinta, tenho sentido uma maior necessidade de dar mais atenção aos meus cuidados com a pele. Afinal, ninguém quer perder a firmeza e a elasticidade do nosso maior órgão. O que é precisamente o que promete este Gel Tonificante para Abdómen e Peito Optimals Body

Para optimizar os resultados deve ser aplicado todos os dias, de manhã e à noite, na zona do peito e da barriga. E é precisamente isso que ando a fazer nos últimos dias. Quanto a resultados, falaremos mais para a frente, numa próxima review com produtos Oriflame sobre os quais ainda não me manifestei.


O segundo produto que recebi desta vez, mais uma vez focado nos cuidados com a pele, foi o Creme de Rosto com Camomila Love Nature. Este é um creme com propriedades suavizantes e calmantes, indicado para todas as peles sensíveis. Mesmo quem ainda não se iniciou nos cuidados de rosto, pode utilizar esta gama, pois é adequada para peles mais jovens que ainda não têm necessidades no que toca a prevenir rugas e coisas que tal.

Poderás encontrar estes dois produtos em promoção no Catálogo 8, bem como outras oportunidades e produtos fantásticos, como já é de esperar da Oriflame. Além disso, também te podes inscrever como Cliente VIP, com acesso especial devido à parceria estabelecida entre o blog e a Equipa Orineves.

Caso precises de qualquer esclarecimento ou ajuda cá estarei à tua inteira disposição, bem como o Joaquim. Agora, qual o produto que te deixou mais curiosa? O gel para o corpo ou o creme para o rosto?


(Podes te entreter também com as opiniões que já publiquei sobre alguns dos produtos que recebi, como aqui e aqui.)

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Uma noite com... #132











João Manzarra
Um apresentador irreverente e um louco saudável

Podes ver os gatos das semanas anteriores aqui. 

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Top 10 - Músicas do Festival da Canção



Tal como aconteceu quando nos consagramos campeões da Europa em Futebol, ainda me sinto embriagada de felicidade e o orgulho mal me cabe no peito depois de mais uma vitória à escala europeia, mas que se propagou por todo o mundo. A Eurovisão é uma cerimónia que já parou o país, embora nos últimos anos a maioria dos portugueses se tenha afastado, fruto das péssimas escolhas que foram sendo feitas. 

O formato perdeu o encanto e o prestígio. Consequentemente, perdeu também qualidade. Para a edição deste ano do Festival da Canção, a RTP optou por uma estratégia diferente que pretendia resgatar o dito prestígio e elevar a fasquia da qualidade. Não fiquei logo convencida de que este propósito seria bem sucedido mas, ainda assim, fui ver as canções que estavam a concurso. 

Assim que os meus ouvidos descobriram a música dos irmãos Sobral, fiquei rendida. Fiquei com a certeza de que seria vencedora, pois nenhuma outra reunia melhor melodia, letra, harmonia e interpretação. E quanto mais ouvia, mais apaixonada ficava por ela. Foi quando me apercebi dos comentários de pessoas que nem a nossa língua compreendiam e, mesmo assim, estavam deliciados com a música. 

Nesse momento, fiquei com fortes esperanças de que, este ano, podia ser a nossa vez de brilhar, que tínhamos boas hipóteses de disputar a vitória de igual para igual. Portanto, foi com as expectativas no máximo que assisti à Eurovisão em directo e que vibrei com a votação como nunca antes tinha acontecido. Constatar que ficámos em primeiro lugar desde o primeiro até ao último voto, que vencemos com uma margem superior a cem pontos. 

Momentos inesquecíveis e em que me sinto uma privilegiada por assistir, por poder viver e vibrar com mais uma conquista de Portugal na Europa. O que não invalida o talento de alguns que nos representaram e não retira beleza às músicas que apresentámos. Dessa forma, nasceu a ideia de reunir as minhas músicas favoritas dos Festivais da Canção, como uma forma de homenagear os que nos representaram com mérito e talento. 

Gosto tanto de algumas que até já fizeram parte da playlist para corações partidos. No entanto, não consigo escolher uma ordem de preferência, sem fritar a pipoca, por isso optei por colocá-las por ordem cronológica. Vamos ouvir o meu Top 10 das músicas do Festival da Canção?

1965 - Sol de Inverno, por Simone de Oliveira
Já não é novidade para ninguém que sou grande fã desta senhora, não só pelo seu talento, mas por ter fortes rasgos de rebeldia e irreverência, numa época em que nem uma coisa nem a outra eram bem vistas. Esta música tem uma das letras mais bonitas de sempre e a pujança da sua voz estava no auge. Para mim, perfeita!


1969 - Desfolhada, por Simone de Oliveira
E aqui está ela outra vez, desta vez, a cantar um dos meus poetas favoritos, José Carlos Ary dos Santos. A letra desta música é qualquer coisa de muito especial. É daquelas que gostaria tanto de ter sido eu a escrever. Tornou-se intemporal e duvido que exista muita gente que não a conheça e não seja capaz de cantar pelo menos uma frase. 


1973 - Tourada, por Fernando Tordo
No ano de 1973, cantava Fernando Torno assim: "Vamos pegar o mundo pelos cornos da desgraça". 


1974 - E depois do adeus, por Paulo de Carvalho
Este poema é do mais belo que já se escreveu na língua portuguesa e isso ainda é dizer pouco. Depois, a interpretação de um Paulo de Carvalho na flor da idade só poderia traduzir-se numa música intemporal que será sempre bela em qualquer altura, em qualquer parte do mundo. 


1989 - Conquistador, pelos Da Vinci
Esta música marcou uma geração. Não é à toa que é presença obrigatória em todo e qualquer karaoke. E quer-me parecer que continuará a ser ouvida por muitos e longos anos. (Quando assistires ao vídeo, não te esqueças que estávamos nos anos 80, ok?)


1991 - Lusitana Paixão, por Dulce Pontes
Esta talvez seja a memória mais antiga que tenho de assistir ao vivo a um Festival da Canção. Em 1989 já era nascida, mas demasiado nova para me recordar do que se passava. Em 1991, lembro-me de todos ficarem rendidos a Dulce Pontes e à sua música tão portuguesa. Outro clássico dos karaokes nacionais, correcto?


1992 - Amor de água fresca, por Dina
Depois de J. K. Rowling dizer ao mundo que ainda consegue trautear esta música do nosso Festival, creio que as pessoas passaram a olhar para ela com outros olhos. No entanto, este poema de Rosa Lobato Faria é de facto especial e tem todo o mérito para constar neste Top 10. 


1993 - A Cidade até ser dia, por Anabela
Quem não se lembra da pequena Anabela, uma menina apenas, dona de uma voz poderosa e que nos encantou a todos com esta música? Ouvir esta música tem sabor a infância, é o que te digo! 


1994 - Chamar a Música, por Sara Tavares
Mais um poema vencedor de Rosa Lobato Faria e uma representação brilhante feita pela talentosa Sara Tavares. Recordo que tinha acabado de vencer o Chuva de Estrelas, programa da SIC, quando foi escolhida para representar Portugal com este tema. Havia quem lhe chamasse a Whitney Houston portuguesa. 


1996 - O meu coração não tem cor, por Lúcia Moniz
Até ser destronada pelo nosso Salvador, a esta música devíamos a nossa melhor pontuação na Eurovisão. E isso já diz muito do seu valor, não te parece? Da música e da cantora, claro está. 


2017 - Amar pelos dois, por Salvador Sobral
As dez músicas já se esgotaram, mas não podia deixar de aqui colocar a música que nos trouxe a vitória desta edição da Eurovisão. Não apenas por ter ganho, mas porque é de uma beleza ímpar e intemporal. Mostrou ao mundo a qualidade da música portuguesa e comprovou que é possível cantar numa língua que não é entendida por todos e, ainda assim, sair vencedor. Que a linguagem musical está ao alcance de todos e é compreendida por todos, entendidos e leigos. Mais uma vez, obrigada Salvador e Luísa Sobral! 


Por fim, quero manifestar o meu espanto por um espectáculo que custa milhares de euros mas que não conta com músicos ao vivo. O que se perde em qualidade não justifica, a meu ver, o que se poupa em dinheiro. 

Encontraste neste Top 10 a tua música preferida? Qual é ela? 

quarta-feira, 17 de maio de 2017

#Shopping - Livros novos na estante



Este mês de Maio está marcado pelo arrombo nas minhas finanças. Tudo culpa dos livros que se colam às minhas mãos e só me largam quando chegam a minha casa e à minha estante. Outro problema emergente, a minha estante. Começa a ser impossível ignorar que preciso, com a máxima urgência, de investir numa estante nova, bonita, com muito espaço para os meus livros (os actuais e os futuros) e que não me leve à falência. 

Mas não é de estantes que te quero falar, mas de livros. Dos livros novos que comprei e que vierem enriquecer o meu espólio literário e contribuir para as minhas noitadas de livro em punho. Estamos a dia 17 de Maio e já comprei quatro. Só espero ser capaz de resistir a mais tentações, pelo menos por enquanto. 

Na verdade, já os li a todos. É esta a história da minha vida. Compro um livro hoje e amanhã já não tenho nada para ler. É o problema de escolher bons livros, a pessoa devora-os enquanto o diabo esfrega um olho. Agora, queres espreitar os novos livros que chegaram à minha estante?



Marco Costa é hoje, seguramente, um dos pasteleiros mais jovens e talentosos do país. Os portugueses conhecem-no desde 2011, quando foi finalista da Casa dos Segredos 2 e conquistou Teresa Guilherme (e não só) com uma torta de laranja que se transformou no seu cartão de visita. Manuel Luís Goucha também se rendeu ao seu talento, assim como Cristina Ferreira, que confessou em direto na televisão não gostar de bolo-rei, mas que depois de provar o de Marco afirmou à boca cheia adorar o bolo. 

As receitas de doces que integram o Receitas com Segredo possuem o toque pessoal do Marco. São caseiras, autênticas e de qualidade, que pretendem fazer recordar os sabores das receitas das nossas avós, feitas com carinho e a transbordar de felicidade. D’«A Famosa» Torta de Laranja, que se tornou no seu cartão de visita, aos Brigadeiros, passando pelo Pão-de-ló Caseiro e a Tarde de Amêndoa, é só escolherem qual querem fazer para regressarem aos sabores da vossa infância. 

Podem igualmente experimentar aquelas receitas que todos adoramos - mousses, cheesecakes, gelados, tiramisus - que acham que não podem comer sem perder a forma, mas que apresento aqui numa versão do Marco, mais saudável. Por isso, não percam a Mousse de Chocolate Saudável, o Cheesecake de Manteiga de Amendoim Saudável, o Gelado de Banana Saudável ou o Tiramisú Saudável.



Em 2016 chega-nos em português o novo livro de Harry Potter, o célebre personagem de J.K. Rowling. Harry Potter e a Criança Amaldiçoada (Harry Potter and the Cursed Child) traz de volta as personagens mais carismáticas da série: Harry, Ron e Herminone, agora adultos, mas também os respetivos filhos e com estes desafios novos… e antigos:
- O que aconteceu depois de Hogwarts?
- E com o fim de Voldemort, estará o mal erradicado de vez?
Baseada numa história original de J.K. Rowling, John Tiffany e Jack Thorne, Harry Potter e a Criança Amaldiçoada - a nova peça de teatro de Jack Thorne -, cuja estreia mundial decorreu no West End, em Londres, no passado dia 30 de Julho, é a primeira história oficial de Harry Potter a ser apresentada em versão teatral.
Foi sempre difícil ser Harry Potter e não é mais fácil agora que ele se tornou num muito atarefado funcionário do Ministério da Magia, casado e pai de três crianças em idade escolar.
Enquanto Harry luta com um passado que se recusa a ficar para trás, o seu filho mais novo, Albus, tem de se debater com o peso de um legado familiar que nunca desejou. Quando o passado e o presente se cruzam, pai e filho confrontam-se com uma desconfortável verdade: por vezes as trevas vêm de lugares inesperados.

A oitava história. Dezanove anos depois.



Se a vida é complicada para o mundo em geral, imagine-se para uma mulher que ainda não chegou aos trinta e já tem de lidar diariamente com problemas tão profundos como saber que sapatos calçar. Ou como aturar homens que começam a escrever o testamento mal atingem uns míseros 36,4º de febre, ou, ainda, como exterminar a celulite sem pôr os pés num ginásio. 

Mais? Sobreviver à pergunta «então e tu?» em todos os casamentos de familiares e amigos. Passar por cima de um desgosto amoroso, daqueles de caixa à cova, conseguir viver com um salário «mileurista» (quem não souber pode sempre ir ao Google e pesquisar), ser benfiquista e tentar não ter um ataque de nervos. A Pipoca Mais Doce trata todos estes temas por tu, com relatos na primeira pessoa de uma mulher igual a tantas outras. O que nem sempre é fácil, Mas às vezes é muito divertido.



Os avanços tecnológicos vieram permitir a emergência de um novo tipo de influenciadores: os bloggers. Hoje em dia as pessoas recorrem cada vez mais a bloggers como fonte de informação e referência sobre um determinado produto, serviço ou empresa. Segundo dados do Bareme/Marktest, cerca de 1,8 milhões de pessoas visitam com frequência blogs em Portugal.

Ensinar como criar um blog, comunicar e gerar receitas é o objectivo principal deste livro que pretende reunir toda a informação essencial necessária para quem se pretende iniciar como blogger, elaborar a sua estratégia e pô-la em prática eficazmente. A perspectiva é de duas profissionais das áreas do marketing e da comunicação que ao longo das suas carreiras têm vindo a acompanhar de perto a blogosfera, não só na relação próxima com bloggers mas também na vertente de como pode um blogger gerar receitas com um blog.

Este livro para além de ser um facilitador na definição e orientação de quem quer ser blogger, proporciona também diversas soluções práticas e exemplos de best practices com testemunhos de alguns bloggers de relevo em diversas áreas em Portugal.

Estão apresentados os quatro novos livros da minha estante. O primeiro foi um presente para a minha mãe que não falava noutra coisa nos últimos tempo. O meu amado Harry Potter foi a minha forma de comemorar o Dia Mundial do Livro, pois pareceu-me a escolha mais acertada para celebrar a efeméride. O livro da Pipoca foi um achado que descobri custar menos de 5€ e teve de vir para minha casa, não fosse eu uma fã do estilo acutilante e satírico desta senhora. Por fim, o último já estava debaixo de olho e tive de trazer comigo para aprender mais sobre este universo da blogosfera. 

Gostaste das minhas novas aquisições? Qual queres que seja o primeiro a ser comentado aqui no blog?

terça-feira, 16 de maio de 2017

Vencedor Passatempo - Oriflame by Orineves



Começo por avisar que tens muita sorte que eu continue a promover passatempos neste blog, porque se, a cada lançamento, eu me lembra-se com clareza do trabalho que dá desistia da ideia imediatamente. Não sabes do que estou a falar? Eu explico melhor, para que possas perceber o que implica ter sorteios nesta casa. 

No final de cada passatempo é necessário criar uma folha de cálculo com os participantes, coisa muito fácil graças aos Formulários da Google. Depois utilizo o random.org para seleccionar um número vencedor. Até aqui tudo simples e fácil, certo? Pois, o problema maior surge a seguir. 

É que é preciso verificar se o número eleito cumpriu todos os requisitos para ser o legítimo vencedor. O que implica verificar se seguiu o blog e em que plataforma, confirmar se colocou o like nas páginas pedidas, se partilhou de forma pública numa rede social e, por fim, se comentou no post. O tempo que se perde nisto, por vezes, deixa-me à beira de um ataque de nervos. Especialmente quando existem pessoas que não obedecem às regras. 

Felizmente, tenho tido a sorte de, nos passatempos mais recentes, as pessoas terem sido umas queridas e o vencedor de pleno direito ter sido encontrado na primeira tentativa. O que nos leva ao propósito do post de hoje. O vencedor, relativo ao último passatempo, irá receber dois produtos Oriflame.

Agora, não quero que sofras nenhum ataque cardíaco com tanta ansiedade, portanto tenho o gosto de anunciar a vencedora (mais uma menina) do passatempo:

Cláudia Costa, do Feijó

Muitos parabéns à nossa vencedora! Irás receber, durante o dia de hoje, um e-mail da minha parte a solicitar os dados de envio, ao qual terás de responder nas próximas 48 horas de forma a reclamar o prémio. 

Que outros passatempos gostarias de ver por estas paragens? Deixa a tua sugestão e, quem sabe, ela não se concretiza. 

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Desafio de Cinema (24/52) - Documentário



Já tens o teu lugar reservado para a sugestão desta semana do Desafio de Cinema? Se não tens devias ter, porque é imperdível. Portanto, o melhor que tens a fazer é escolher o lugar mais confortável para assistires ao que hoje te vou sugerir.

Assim que bati os olhos neste tema, o Documentário, lembrei-me de um que assisti durante uma aula da minha mais recente incursão pelo ensino profissional, em 2014. Depois comecei a preparar o post de hoje e percebi que isto estava catalogado como uma mini-série. Ups, pensei eu. Ainda ponderei procurar outra opção, mas nenhuma outra me enchia as medidas como esta.

Especialmente, tendo em conta os tempos que vivemos, onde a memória de uma passado demasiado próximo mas, ainda assim, com cada vez menos testemunhos vivos que o tivessem visto acontecer, se começa a desvanecer e novos perigos surgem para constatar se aprendemos com os erros ou se os vamos voltar a repetir.

Portanto, mandei às urtigas o termo como catalogam o título que se segue, e decidi sugerir na mesma o que tinha vontade. E é assim que chegamos a "Hitler: A Ascensão do Mal". Aqui é-nos apresentada a infância do maior ditador da Europa, como cresceu e como, depois de passar pela Primeira Guerra Mundial e pelas prisões alemãs, chega ao poder, seduzindo os que se encontravam descontentes com o rumo da Alemanha.

A perda do orgulho nacional, os problemas económicos e a culpabilização dos cidadãos estrangeiros alimentaram a sua fome de poder. Um cenário familiar, não te parece? Como sempre digo, muito se aprende quando se analisa a História, uma vez que ela tem tendência a repetir-se ciclicamente. Este homem e a sua loucura foram considerados inofensivos pelos líderes que o poderiam ter parado a tempo, o que permitiu que ganhasse força e cada vez mais poder.

A sua capacidade de empolgar com os seus discursos arrastaram multidões. Tudo isto pode ser visto neste "Documentário". O resto vocês já sabem, ou seja, o final não foi bonito. Será que é isso que queremos para a nossa Europa? 


Sinopse
Hitler: A Ascensão do Mal começa por fazer o retrato da mente jovem e em desenvolvimento de um louco embrionário, acompanhando-o nos seus anos de formação e em como evolui no homem que explorou a nação, que apelou por um líder que pudessem seguir. Motivado pela raiva e distorcido pelo ego, Hitler luta num mundo que acredita dever-lhe algo, seduzindo a Alemanha numa dança macabra de rendição e controlo. 


Podes acompanhar o Desafio de Cinema - 52 Filmes em 52 Semanas e ver os próximos temas. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...